Conversas à Quinta

CONVITE

Próxima sessão das Conversas à Quinta:
30 de novembro de 2017 | 18h às 20h | Sala7 | ENTRADA LIVRE

Dando continuidade às “Conversas à Quinta”, iniciativa conjunta da AFIRSE Portugal e do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, realizar-se-á no próximo dia 30 de novembro mais uma sessão, desta vez sobre Flexibilidade Curricular nas Escolas Portuguesas. Helena Peralta, Investigadora do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, convida Hélder Pais, Diretor de Serviços de Desenvolvimento Curricular da Direção-Geral de Educação e Ana Cláudia Coelho, Diretora do Agrupamento de Escolas de Alcanena para conversarem sobre:

O projeto de autonomia e flexibilidade curricular dos ensinos básico e secundário no ano escolar de 2017-2018 (Despacho n.º 5908/2017, de 5 de julho)

A entrada é livre a todos os interessados, podendo ser utilizado o parque do Instituto de Educação que, para o efeito, estará aberto a partir das 17:30H.

O “novo” Perfil do Aluno

Dando continuidade às “Conversas à Quinta”, iniciativa conjunta da AFIRSE Portugal e do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, realizou-se no passado dia 25 de maio mais uma sessão, desta vez sobre  O perfil dos alunos para o Séc. XXI. Luís Tinoca convidou Joana Brocardo, da ESE de Setúbal e Conselho Nacional de Educação, Maria João Horta, da EDUCOM, e António Quaresma, da EB1 Várzea de Sintra e Rede Educação Séc. XXI.

A entrada livre a todos os interessados, podendo ser utilizado o parque do Instituto de Educação que, para o efeito, esteve aberto a partir das 17:30H.

 

A Comissão Europeia apresentou em 2006 uma recomendação sobre Competências Chave para a aprendizagem ao longo da vida na Europa (European Council, 2006) que está neste momento em processo de revisão. Esta recomendação foi implementada de diversas formas pelos parceiros europeus (Looney e Michel, 2014). Também em Portugal, se está presentemente a debater esta problemática e a discutir o perfil do aluno para o século 21 (Martins, 2017).

Referências: 

European Council (2006). key competences for lifelong learning. Bruxelas: Comissão Europeia. http://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/TXT/?uri=celex%3A32006H0962
Looney, J. & Michel, A. (2014). Keyconet’s conclusions and recommendations for strengthening key competence development in policy and practice. Brussels: European SchoolNet. http://keyconet.eun.org/c/document_library/get_file?uuid=78469b98-b49c-4e9a-a1ce-501199f7e8b3&groupId=11028
Martins, G. O. (2017). Perfil dos alunos para o séc. XXI. Lisboa: Ministério da Educação.https://dge.mec.pt/sites/default/files/Noticias_Imagens/perfil_do_aluno.pdf

 

 

Aprendizagens na Rede…

A AFIRSE Portugal e o Instituto de Educação promovem mais um ciclo da iniciativa “Conversas à Quinta” que terá lugar nas últimas quintas-feiras dos meses de março, abril e maio de 2017. Orientadas por um investigador e seus convidados, essas conversas decorrem à volta de temáticas atuais relevantes para a análise da realidade educativa nacional suportadas pela investigação. ENTRADA LIVRE!!

   30 de março | 18:00H | Instituto de Educação | Anfiteatro II

_______________ _______________
Joana Viana, Investigadora do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, convida Paulo Dias, Reitor da Universidade Aberta e João Correia de Freitas, Professor da Universidade Nova de Lisboa a conversar sobre As Aprendizagens na Rede como Oportunidade de Transformação da Escola.

APRENDIZAGENS NA REDE COMO OPORTUNIDADE DE TRANSFORMAÇÃO DA ESCOLA
A evolução das tecnologias digitais e o uso globalizado da Internet têm provocado mudanças nos contextos em que se aprende e nos meios e estratégias mobilizadas para aprender, permitindo uma maior independência e autonomia na gestão que cada um faz do seu percurso de aprendizagem.
Que oportunidades trazem estas mudanças à escola tal como a conhecemos? Como reconfigurar as práticas atuais de ensino e aprendizagem tirando partido do potencial pedagógico das tecnologias digitais e da participação autónoma e independente dos alunos em ambientes virtuais de aprendizagem?
A escola precisa transfigurar-se? Precisa de repensar papéis, competências e modelos de organização curricular? Como pode beneficiar das experiências de aprendizagem que ocorrem fora dos contextos formais?
APRENDIZAGENS NA REDE COMO OPORTUNIDADE DE TRANSFORMAÇÃO DA ESCOLA